Temos algumas pequenas dicas para as minorias em tempos de opressão

A pressão tem sido forte do lado de quem quer nos oprimir. Por isso, a ordem da vez é cuidar uns dos outros e estar com quem nos quer bem de verdade.

A onda de conservadorismo tem se alastrado com cada vez mais força. Estamos diante de um cenário cada vez mais opressor, mais favorável à garantia de privilégios do que à igualdade de direitos.

Não podemos ignorar que nós, minorias políticas, temos nos sentido cada vez mais preocupados e desamparados. É algo que tem consumido nossas energias, e a de muitos ao nosso redor. E como nosso Carnaval sempre foi de resistência, precisamos falar disso.

Como vencer o medo e a opressão?

A gente tem passado por momentos muito difíceis. E vem sendo difícil até mesmo expressar o que a gente acredita. Mas como acreditamos num mundo de mais amor e igualdade, a gente quer propor uma reflexão a nosso próprio respeito.

Nossa luta pela igualdade feminina e pelo respeito à comunidade LGBT nunca foi fácil. Mas, mais do que nunca, precisamos de força para resistir e revolucionar o mundo com amor.

E hoje, queremos falar com quem divide esse sentimento. Precisamos estar JUNTAS. Precisamos que cada minoria seja força. Precisamos confiar no que acreditamos. E apesar de ser uma tarefa árdua, a gente tem alguns caminhos para tentar facilitar.

Troque experiências com quem está na mesma

Pessoas que estão ao seu redor podem estar sentindo o mesmo que você. O carinho com o próximo certamente fará muita diferença para quem está precisando. Mas essa troca também pode te beneficiar, pois você perceberá que não está nessa batalha sozinho. Se una às migas e migos em que pode confiar, e se aproxime de pessoas que entendem e compartilham dos seus ideais.

Criar uma rede de cuidado pode ser benéfico, tanto para aliviar a barra e a pressão o que você sente quanto para que as pessoas se fortaleçam como todo, e consigam se reerguer juntas, a partir dessa união. Sempre que o aperto bater, tente estar com essas pessoas. Isso certamente vai revigorar seu espírito, e você perceberá que pode dividir esse peso.

Dê o seu apoio a quem também te apoia

Precisamos nos educar para aprender a dar apoio às pessoas certas, que nos entendem e se preocupam conosco. Em tempo de mídias digitais e redes sociais, a voz de todas as pessoas ganhou muita força. Então porque não usar isso em nosso benefício?

Algum artista que apoia causas que você acredita tem algo novo a mostrar? Apoie e divulgue! Conhece alguma empresa que apoia causas em que você acredita? De preferência! Ofereça feedbacks produtivos para que elas cresçam ainda mais! Parece muito clichê, mas entender melhor onde depositar sua atenção, seu dinheiro e sua confiança é uma atitude que trará grande impacto.

Se cuide e se preserve

Lembre-se a todo momento que você só tem uma única responsabilidade: garantir o seu bem-estar, sua saúde e sua integridade. Por mais que as batalhas por direitos iguais sejam importantes, não tente carregar um fardo maior do que você consegue.

Se você perceber que as discussões ou situações em que você está estão sendo prejudiciais a você, respeite seus limites. Se afaste de pessoas tóxicas, se desligue das redes sociais e tente se distrair com outras coisas. Para estar bem para cuidar dos outros, o primeiro passo estar bem consigo.

Argumente até o limite do que é saudável

Precisamos fazer o possível para que os nossos pontos de vista sejam entendidos pela maior parte das pessoas. Mas em determinados momentos precisamos aceitar que os outros infelizmente não entenderão outra verdade além da deles. E nesses casos, dar murro em ponta de faca só nos fará mal.

Não desista dos seus ideais, mas respeite sua saúde mental. Se perceber que uma discussão deixou de ser saudável e passou a ser mais prejudicial do que produtiva, não tenha medo de se retirar dessa conversa. Isso ajuda você a se preservar e não transmitir uma ideia de descontrole (que pode ser usada pelos outros para desmerecer o que você acredita).

Acredite quando dizemos: fácil nunca será. São anos de opressão, de desigualdade, de medo, mas também de esperança e de batalha. E por mais que às vezes nos sintamos abaladas, sempre teremos em mente que o amor é a força que nos move. E o amor sempre vencerá o ódio. SEMPRE.

Comente pelo Facebook: