O que é lugar de fala e por que ele é tão importante?

O termo “lugar de fala” é fundamental para legitimar os protagonismos nas lutas. Você sabe a importância desse conceito? Acompanhe aqui com a gente!

As relações de dominação sociais determinam padrões que acabam gerando comportamentos discriminatórios. Dessas relações de poder surge o termo “minoria”, que não se refere necessariamente a um menor número de indivíduos na sociedade, mas sim a um grupo em situação de desvantagem social diante de um outro grupo dominador.

As minorias têm buscado seu lugar no cenário político e social por meio da afirmação de uma identidade, e isso é o que permeia a militância de movimentos como o feminista, negro ou LGBT. E é nisso que se consolida a ideia do lugar de fala.

O lugar de fala e a afirmação da identidade

Consolidar uma identidade é importante para que as minorias conquistem visibilidade, aceitação e reconhecimento, criando um sistema social mais igualitário e justo. Quando uma mana se afirma como mulher, ou como mulher negra, ou como mulher negra lésbica, e assim por diante, se torna mais forte e reafirma seu lugar na sociedade. Isso é algo fundamental para fortalecer nossas lutas, frente à repressão dos padrões sociais patriarcais, brancos, misóginos e heteronormativos.

As diferentes identidades coletivas, formadas pelas minorias, são pauta de luta e utilizam, com frequência, o conceito “lugar de fala”, cuja ideia é chegar ao fim da mediação. A ideia é permitir à pessoa que sofre que fale por si mesma, como protagonista da própria luta. O termo propõe que as discussões sejam horizontais e não reproduzam a lógica de poder e de hierarquia social vigentes na sociedade.

Em que consiste o respeito ao lugar de fala?

A proposta do lugar de fala é quebrar o silenciamento histórico das minorias pelos grupos privilegiados, dando legitimidade de fala a quem sofre na própria pele o preconceito, a repressão e a discriminação. O lugar de fala é essencial para expressar a singularidade e o direito de existir.

O respeito ao lugar de fala não visa calar ninguém, mas sim romper com o padrão de uma única voz falando sobre um assunto. Um homem branco heterossexual, sujeito de privilégios, deve praticar a escuta das minorias, e pode e deve se posicionar nas suas relações sociais contra as formas históricas de dominação.

Contudo, é necessário perceber que existe uma diferença entre entender um problema e vivenciá-lo. O limite do lugar de fala é aquele em que, por mais que se tenha consciência das opressões que não são nossas, nossas próprias experiências não são suficientes para se falar em nome de outras minorias.

E na prática? Como respeitar o lugar de fala do outro?

O diálogo nas lutas é democrático, pois busca a comunicação entre as minorias e o sujeito dominador, que está no topo da hierarquia social e é agente das recriminações. O lugar de fala não busca silenciar esse sujeito, mas reforçar que a mulher, a pessoa negra, a pessoa LGBT, são os protagonistas de suas próprias lutas e, estes sim, não devem ser silenciados, e suas lutas devem ser legitimadas!

Seguindo esse raciocínio, deve estar claro que se uma mana se posiciona e denuncia um caso de assédio, não é papel dos homens questionar, mas dialogar e entender porque aquela situação se configura assim, como agir para evitar que ela se repita.

Da mesma forma, uma pessoa negra que fala sobre políticas de cotas raciais, por exemplo, tem legitimidade por entender, na pele, na vida, na rotina, o racismo, que é diário, mas também é histórico e causa falta de oportunidades e marginalização dos negros na nossa sociedade. Do mesmo modo que uma pessoa LGBT, ao falar sobre como os estereótipos de bicha, sapatão ou traveco fortalecem o preconceito.

O lugar de fala contribui para que grupos encontrem uma voz que sempre foi silenciada, no contexto de exclusão das minorias dentro do sistema em que vivemos. O papel de cada um de nós é aprender como respeitar e dar espaço para que cada um se posicione a partir de suas experiências, na busca de uma sociedade mais igualitária e inclusiva.

Deu pra aprender um pouquinho mais? Que tal então compartilhar esse post pra mostrar pra mais gente como é importante dar o protagonismo aos porta-vozes de cada luta através do lugar de fala? Aproveita também e conta pra gente o que você achou nos comentários!

Comente pelo Facebook:

About the author: Garotas Solteiras